Buscar
  • danieldesousafilho

Meu filho pode ser um psicopata?

Atualizado: 18 de Jul de 2019

A Revista Super Interessante trouxe uma reportagem cuja chamada traz esse título: “meu filho é um psicopata”.

Nós, psiquiatras da infância e adolescência vez ou outra ouvimos essa frase. Mães cujos filhos mentem patologicamente, agridem outras pessoas, inclusive usando facas ou armas, ou mesmo maltratam, ou matam animais. Sem sentir remorso ou culpa. Diante disso ouvimos essa frase.

É triste, mas é parcialmente real.

Parcialmente porque o quadro descrito existe na infância e adolescência e é chamado Transtorno de Conduta.

O quadro clínico do transtorno da conduta é caracterizado por comportamento anti-social persistente com violação de normas sociais ou direitos individuais. Os critérios diagnósticos para transtorno da conduta incluem:


(1) frequentemente provoca, ameaça ou intimida outros;

(2) frequentemente inicia lutas corporais;

(3) utilizou uma arma capaz de causar sério dano físico a outros (por exemplo, bastão, tijolo, garrafa quebrada, faca, arma de fogo);

(4) foi fisicamente cruel com pessoas;

(5) foi fisicamente cruel com animais;

(6) roubou com confronto com a vítima (por exemplo, bater carteira, arrancar bolsa, extorsão, assalto à mão armada);

(7) forçou alguém a ter atividade sexual consigo - Destruição de propriedade;

(8) envolveu-se deliberadamente na provocação de incêndio com a intenção de causar sérios danos;

(9) destruiu deliberadamente a propriedade alheia (diferente de provocação de incêndio) - Defraudação ou furto;

(10) arrombou residência, prédio ou automóvel alheios;

(11) mente com frequência para obter bens ou favores ou para evitar obrigações legais (isto é, ludibria outras pessoas);

(12) roubou objetos de valor sem confronto com a vítima (por exemplo, furto em lojas, mas sem arrombar e invadir; falsificação) - Sérias violações de regras;

(13) frequentemente permanece na rua à noite, apesar de proibições dos pais, iniciando antes dos 13 anos de idade;

(14) fugiu de casa à noite pelo menos duas vezes, enquanto vivia na casa dos pais ou lar adotivo (ou uma vez, sem retornar por um extenso período);

(15) frequentemente gazeteia à escola, iniciando antes dos 13 anos de idade;


Cabe ressaltar que psicopatia é um termo não médico usado para se referir a pessoas adultas com comportamentos antissociais e seu uso na infância e adolescência é controverso!

0 visualização

TODOS  OS DIREITOS RESERVADOS A DR. DANIEL FILHO.